Blog de Ângelo Vieira da Silva, Marido da Keila, pai do Rafael. Cristão Calvinista, Pastor Presbiteriano. Pesquisador dedicado. Cruzeirense e Gamer de clássicos.

DIA NACIONAL DA FAMÍLIA – 08/12



Família... Como está minha família? Será que está estruturada? E os problemas que tenho com meu cônjuge? E meus filhos? Eles estão rebeldes? Hoje o tempo é tão diferente, não é...? Talvez você pense: há se fosse no meu tempo.... As coisas não eram assim quando eu era da sua idade...etc. Antes de qualquer coisa, procure entender uma verdade: Deus se importa com sua família, com seus problemas, seus conflitos, mas também com suas alegrias e seus agrados. Desde o livro do início, Gênesis, Deus inicia a lição preciosa da família. No primeiro livro de Moisés Deus vê algo que não é bom em seu paraíso: a solidão, a solidão de Adão. É o próprio Senhor que diz não ser bom que o homem esteja só (Gn 2.18). Mas o que não era bom Deus o torna bom, aliás, maravilhoso, belo e – porque não dizer – perfeito... O pesado sono que recai sobre Adão o levaria a contemplar um sonho real ao acordar... Deus faz sua auxiliadora, Eva, costela, mulher, varoa, idônea, vida. Esta, afinal, é osso dos ossos de Adão e carne de sua carne. Deus cria a família. Esta é uma família abençoada por Deus. 

Certamente em algum momento você já leu o Sl 127. Quero que você saiba que uma família abençoada por Deus é uma família consagrada a Ele. Assim, gostaria de enfatizar algumas lições apenas no verso um deste trecho das Sagradas Escrituras. O salmista entende a natureza da família e seu propósito. Para ele, uma família consagrada a Deus possui algumas características pertinentes. São elas: 

1) A FAMÍLIA É CRISTOCÊNTRICA: o Sl 127.1 diz: “Se o Senhor Não edificar a casa...”. Hodiernamente nossos valores têm se tornado valores que não glorificam ao Senhor. Isto ocorre porque não estão cristocentralizados. Mas, o que quer dizer isto? A palavra “cristocêntrica” tem duas partes: Cristo (o mesmo que Messias, o ungido, nosso Senhor) e cêntrica (que quer dizer estar no centro das atenções, ser o alvo). O salmista entendia que se o Senhor não edificasse sua casa de nada adiantaria todo o seu labor, de nada adiantaria todo o seu dinheiro; ele sabia que Deus deve estar no centro. Deus deve ser amado acima de todas as coisas, inclusive da família. Lembre-se: a real felicidade, aquela que só Deus pode conceder, são para os seus escolhidos, que vivem, confiam nEle, e, acima de tudo, O colocam como centro em seu lares. 

2) A FAMÍLIA PRECISA DE COMUNHÃO: O texto continua e salienta: “... em vão trabalham os que a edificam”. Trabalhar... Trabalhar... Trabalhar. Este é o lema de muitos lares cristãos, mas, que tristeza. O salmista usa o verbo trabalhar e edificar no plural representando a idéia de mais de uma pessoa, ou mais de uma família. O importante, porém, é entender que a família é um corpo onde todos devem viver o mesmo ideal: glorificar a Deus. Mas, como glorificar a Deus? Quando a família vai mal, a igreja vai mal. Quando a família vai bem, a igreja vai bem. Tudo isto porque a família vem de Deus (sua natureza) para glorificar a Deus (seu propósito). Daí a necessidade da comunhão, comunhão com toda família. Uma família que não vive a comunhão não tem experimentado uma real comunhão com Deus, ou seja, a paz com Deus, que excede todo conhecimento. 

Minha oração é que o Deus da Graça seja o centro de nossos lares a cada dia e que uma comunhão genuína, sincera e ininterrupta com Deus possa ser conseguida, através de uma busca mais intensa do poder de Deus. 

Rev. Ângelo Vieira da Silva
Compartilhar no Google Plus
    Blogger Comment

1 comentários:

Comente essa postagem aqui:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial