Blog de Ângelo Vieira da Silva, Marido da Keila, pai do Rafael. Cristão Calvinista, Pastor Presbiteriano. Pesquisador dedicado. Cruzeirense e Gamer de clássicos.

TRÊS PERGUNTAS ACERCA DAS OFERTAS VOLUNTÁRIAS


1. O que são as ofertas?

Em sentido etimológico poderíamos definir a palavra “ofertar” como “oferecer voluntariamente”. As ofertas são associadas a ajuntamento solene na Bíblia (Is 1.13). Lembre-se: as ofertas não são o dízimo. Há distinção clara. Em Deuteronômio 12.17 afirma-se: “Nas tuas cidades, não poderás comer o dízimo do teu cereal, nem do teu vinho, nem do teu azeite, nem os primogênitos das tuas vacas, nem das tuas ovelhas, nem nenhuma das tuas ofertas votivas, que houveres prometido, nem as tuas ofertas voluntárias, nem as ofertas das tuas mãos”. Saiba que não devemos ofertar o que sobra, mas sim o tudo que Deus colocar em nosso coração (II Co 9.7). Marcos 12.44 afirma: “Porque todos eles ofertaram do que lhes sobrava; ela, porém, da sua pobreza deu tudo quanto possuía, todo o seu sustento”. Esta é a diferença básica sobre o que é e o que não é ofertar. Êxodo 30.15 e 35.22 ensinam que tanto ricos como pobres, tanto homens como mulheres, devem dar ofertas para o Senhor.


2. Para que são as ofertas?

Jesus nos conclama a ofertar liberalmente por causas específicas. Devemos ofertar dinheiro (Ex 25.3), principalmente para obras especiais na Casa do Senhor. Ex 35 mostra como o povo ofertava para obras de construção: “e veio todo homem cujo coração o moveu e cujo espírito o impeliu e trouxe a oferta ao Senhor para a obra da tenda da congregação, e para todo o seu serviço, e para as vestes sagradas... os filhos de Israel trouxeram oferta voluntária ao SENHOR, a saber, todo homem e mulher cujo coração os dispôs para trazerem uma oferta para toda a obra que o Senhor tinha ordenado se fizesse por intermédio de Moisés”. É interessante notarmos que Moisés precisou proibir o povo para não trazer mais ofertas, pois já estava sobejando (Ex 36.6). Esdras também sente a voluntariedade do povo: “Alguns dos cabeças de famílias, vindo à Casa do Senhor, a qual está em Jerusalém, deram voluntárias ofertas para a Casa de Deus, para a restaurarem no seu lugar (Ed 2.68)... e, depois disto, traziam ofertas voluntárias ao Senhor (Ed 3.5)... bem assim a prata e o ouro que achares em toda a província da Babilônia, com as ofertas voluntárias do povo e dos sacerdotes, oferecidas, espontaneamente, para a casa de seu Deus, a qual está em Jerusalém (Ed 7.16). Portanto, diligentemente comprarás com este dinheiro novilhos, e carneiros, e cordeiros, e as suas ofertas de manjares, e as suas libações e as oferecerás sobre o altar da casa de teu Deus, a qual está em Jerusalém (Ed 7.17)”. 

3. Por que ofertar?

Devemos ofertar porque é ordem do Senhor (Ex 25.2). Você sabia que era uma obrigação dos homens de Israel acima de 20 anos ofertarem ao Senhor (Ex 30.14)? Ofertar precisa ser uma disposição voluntária de nosso coração (Ex 35): “Tomai, do que tendes, uma oferta para o SENHOR; cada um, de coração disposto, voluntariamente a trará por oferta ao SENHOR: ouro, prata, bronze”. Devemos ofertar porque as ofertas, assim como o dízimo, são do Senhor (Ne 18.8), são sagradas (Ne 18.19) Deus apenas não se agrada com nossas ofertas quando as mesmas são vãs, isto é, quando as mesmas estão associadas com iniqüidade, pecados (Is 1.13). É por isso que Deus não aceita algumas ofertas (Sl 40.6). Se mudarmos esta associação, então, Deus se agradará dos sacrifícios de justiça, dos holocaustos e das ofertas queimadas (Sl 51.19).

Rev. Ângelo Vieira da Silva
Compartilhar no Google Plus
    Blogger Comment

1 comentários:

  1. amado, 17 anos de cristão,e agora bem recente, meus olhos foram aberto para essa realidade.
    a qualidade da oferta é que faz a diferença na vida do cristão.

    ResponderExcluir

Comente essa postagem aqui:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial