MARTINHO LUTERO: UM BREVE COMENTÁRIO

Martinho Lutero foi um teólogo alemão e é considerado o pai espiritual da Reforma Protestante. A "Disputação do Doutor Martinho Lutero sobre o Poder e Eficácia das Indulgências", mais conhecida como as 95 Teses, desafiou os ensinamentos da Igreja na natureza da penitência, a autoridade do papa e da utilidade das indulgências. Afixadas na Porta da Abadia de Westminster em 31 de outubro de 1517, representavam uma reforma dentro da igreja, o que não foi possível. Veja algumas:


JOHN KNOX: UM BREVE COMENTÁRIO

Nascido entre 1505 e 1515, foi guarda-costas de Wishart. Depois de passar um ano e meio como escravo em um navio francês, fugiu para a Inglaterra, onde se tornou capelão do jovem rei Eduardo VI. No reinado sangrento de Maria Tudor (1553-1558), foi para o continente e passou três anos em Genebra, onde estudou aos pés de Calvino. Pastoreou uma igreja de refugiados de língua inglesa e retornou à Escócia em 1559, tornando-se o líder da Reforma em seu país.

O Presbiterianismo faz parte da família das igrejas reformadas dentro das denominações do Protestantismo Cristão e é baseado nos ensinamentos de João Calvino. A estrutura eclesiástica deste preconizava o governo das comunidades por presbíteros e a associação das igrejas em presbitérios regionais e em sínodos nacionais. Contudo, seu fundador, isto é, aquele que institucionalizou a forma de governo foi o reformador John Knox, na Escócia. 

MÚSICAS QUE EDIFICAM 003 - NO DIA EM QUE EU SAÍ DE CASA


Hoje compartilho com os leitores do Blog Regulae Fidei mais uma canção que me edifica. Além de Caminhos de Sol e Everything I Do, a música brasileira "No dia em que eu saí de casa", cantada pelos sertanejos Zezé Di Camargo e Luciano e composta pelo gaúcho Joel Marques em homenagem à sua mãe, é muito especial. Sendo uma das marcas no filme "Dois filhos de Francisco", essa música tem uma mensagem forte, terna e brasileira. Vale a pena ouvir!

MISSÕES: AVALIE-SE!

Após um trimestre inteiro de meditações bíblicas sobre a urgência do cumprimento da Grande Comissão será extremamente relevante nos avaliarmos como Missionários, Evangelistas, Embaixadores do Reino dos Céus. Todos os somos. Certamente, você se lembra que na última quarta-feira (03/10) fechamos o calendário missionário com o Projeto de Missões. Este foi terceiro evento que realizamos para a captação de recursos para nossa Missionária no Senegal. Diante disto, convido os irmãos a se avaliarem mediante tudo que se fez. Proponho um questionário de três perguntas essenciais. Preparado? Então, me diga:

O PAPEL POLÍTICO DO PREFEITO


Desde que iniciei o blog e passei a escrever alguns artigos sobre política procurei trazer a memória do leitor as responsabilidades inerentes aos cargos políticos para os quais todo cidadão brasileiro vota e pode ser votado. Dentre outros artigos, aqui já descrevi os papéis do Presidente da República, do Governador, do Senador, dos Deputados Federal e Estadual e Vereadores. Logo verifiquei que faltava ainda uma importante reflexão: o papel político do Prefeito. Às vésperas do pleito, é o que proponho realizar nas linhas adiante.

1. Quem é o Prefeito?

Em suma, o Prefeito é um administrador municipal. Ele é parte integrante do Poder Executivo local. Ele é o chefe da prestação do serviço público de qualidade. Naturalmente, deve ser assíduo no cumprimento de seus deveres que já há mais de 177 anos estão bem configurados no Brasil.

2. Quais os requisitos essenciais para alguém ser Prefeito?

Além das qualificações morais, éticas, religiosas e/ou filosóficas que o eleitor notará, o candidato a Prefeito necessita cumprir uma série de exigências legais, tais como: deve ser brasileiro (ou português), ter a idade mínima de 21 anos, domicílio eleitoral na circunscrição na qual o candidato se apresenta (pelo menos por um ano), estar com a documentação pessoal em dia (principalmente o Título de Eleitor), gozar plenamente dos direitos políticos, ser filiado a um partido político, ser alfabetizado e não pode ocupar cargo público durante o pleito (pelo menos seis meses antes).

3. Quais as principais funções do Prefeito?

Administrar a cidade, cuidar da limpeza das ruas e locais públicos, fazer cumprir as leis, fazer com que a saúde atenda à toda a população, fazer com que os impostos e taxas sejam cobrados, realizar obras e serviços essenciais para a vida na cidade, cuidar da educação básica das crianças da cidade, manter a limpeza e a iluminação públicas, atentar para a segurança do município; manutenção de ambulâncias e carros a serviço do município; buscar fontes de recursos para a melhoria das condições de vida da população; promover a instalação de novas empresas no município para gerarem empregos. Enfim, são inúmeras as funções.

Faço minhas as palavras de Alexandre Curriel: "Não basta desempenhar com legalidade, mas sim administrar com presteza, oferecendo serviços públicos ágeis à satisfação das necessidades locais. Nota-se que a eficiência, além de abranger a presteza e economia, comporta perfeição e produtividade daquele que exerce o cargo ou função pública na cidade, adequando tecnicamente suas ações aos objetivos da administração pública local".


Pense bem antes de votar. O Prefeito que o município precisa deve atender todas as demandas, mas principalmente da Educação, investindo na construção e preservação de creches, escolas e projetos estratégicos, bem como da Saúde, garantindo os recursos necessários para hospitais e postos de saúde.

Agora, lembre-se do ditado popular: "uma andorinha só não faz verão". O Prefeito não faz nada sozinho. Dependerá, e muito, dos vereadores eleitos e de todos aqueles investidos em cargos de confiança. Estejamos atentos e desejosos de dias melhores para nossa cidade.

Rev. Ângelo Vieira da Silva