Blog de Ângelo Vieira da Silva, Marido da Keila, pai do Rafael. Cristão Calvinista, Pastor Presbiteriano. Pesquisador dedicado. Cruzeirense e Gamer de clássicos.

COMO JEJUAR?


A prática do jejum é fundamentada no desejo espiritual de agradar a Deus, “um anelo por Deus” (John Piper). Esse foi o questionamento do Senhor ao povo nos dias do profeta Zacarias e Isaías (Zc 7.5; Is 58.5). Jejum agradável é jejum aceitável por Deus. "O jejum não muda a Deus. Ele é o mesmo antes, durante e depois de seu jejum. Mas, jejuar mudará você. Vai lhe ajudar a manter-se mais suscetível ao Espírito de Deus" (Kenneth Hagin). Portanto, jejuar de forma a agradar a Deus envolve algumas disposições, que descreverei abaixo.

Seja discreto. Foi o que Jesus ensinou, contrapondo-se à prática hipócrita de revelar que se está jejuando para ser reconhecido pelos homens (Mt 6.16-18). O problema não é dizer que se está jejuando, mas fazê-lo para parecer aos homens que se jejua, uma postura egoísta e fingida. A discrição do cristão fiel será recompensada pelo Senhor. Como expressou W. Dyer, Jesus “jejuou quarenta dias para poder banquetear-se conosco por toda a eternidade”.

Esteja em oração. Em muitos textos o jejum está intimamente ligado à oração. Dentre muitos exemplos, lembre-se da profetisa Ana (Lc 2.36-37), do profeta Daniel (Dn 9.3) e do copeiro Neemias (Ne 1.4). “Orar não é tanto submeter nossas necessidades a Deus, mas submeter nós mesmos a ele”. Nesse caso, jejum sem oração é mera dieta.

Tenha cautela. É certo que as Escrituras apresentam noções para o jejum que agradará a Deus. Porém, é necessária certa cautela diante de alguns textos. “Um erro da espessura de um fio de cabelo afasta-nos cem quilômetros do alvo”. Creio, por exemplo, que o primeiro jejum citado na Bíblia, o de Moisés (Ex 34.28), e o jejum de Elias (I Re 19.8) foram momentos extraordinários da história bíblica e não, necessariamente, uma prática ordinária para os cristãos de hoje. Igualmente, não vejo o comportamento de Daniel diante dos manjares do rei Nabucodonosor como o jejum clássico dos judeus (Dn 1.8, 12), mas como experiência para o cozinheiro-chefe do rei e medida de fidelidade ao Rei dos reis. Acautele-se e procure se informar corretamente sobre os princípios bíblicos aplicáveis ao jejum. É possível jejuar errado, desagradando a Deus, tal como expressa o jejum convocado por Jezabel (I Re 21.9-10).

Jejue parcialmente. Muito utilizado em privações de período prolongado, o jejum parcial é aquele que se realiza “por partes”, isto é, envolve abstenções selecionadas, seja na relação sólido-líquido, seja na escolha de um determinado tipo de alimento. Em razão disso, o jejum parcial é o mais exercitado por iniciantes ou por irmãos que estão impossibilitados que de se abster totalmente dos alimentos por questões médicas, por exemplo. Ao que parece, temos jejuns parciais atribuídos ao profeta Daniel (Dn 10.2-3), a Jonathas (I Sm 20.34) e a Jesus (Lc 4.2). No texto do profeta diz-se, exatamente, o quê se ficou sem ingerir: carne, vinho e manjar desejável. Provavelmente, Daniel se restringiu a uma dieta de frutas e legumes, ainda que não se possa bater o martelo. “Embora tenha escolhido o que aparentemente seja a forma menos rigorosa de jejuar, dedicou-se à ela por três semanas” (Luciano Subirá). Assim como no caso do filho de Saul, há quem interprete que o jejum de Jesus no deserto foi parcial, pois envolveu apenas o alimento, seja líquido ou sólido, pois “nada comeu naqueles dias”.

Jejue totalmente. Ao contrário do jejum parcial, o jejum total é a “abstinência completa”, de tudo, inclusive d’ água. As Escrituras Sagradas fazem poucas menções de jejuns totais, dada a dificuldade e necessidade de preparo que se exige. Jejuar sem a ingestão de água é difícil e até mesmo perigoso, daí a necessidade de cautela (Ed 10.6). Agora, o grande desafio desta forma é focar-se em censurar a carne enquanto natureza pecaminosa, não ao corpo como Templo do Espírito Santo. Ao que parece, os jejuns descritos em Ester (Et 4.16), Jonas (Jn 3.7) e por Paulo (At 9.9) foram desse tipo, dadas as circunstâncias de sua realização.

Rev. Ângelo Vieira da Silva



Compartilhar no Google Plus
    Blogger Comentario

0 comentários:

Postar um comentário

Comente essa postagem aqui:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial