A BÍBLIA DO “CÉTICO”: dá para responder!


Muitos leitores do post "A BÍBLIA DO “CÉTICO”: dá para acreditar?" me indagaram por meio dos comentários sobre uma resposta às controvérsias apresentadas por tal literatura. Apresentarei respostas aos argumentos. Obviamente, muitos não aceitarão as explicações em virtude de não crerem na Bíblia como a Palavra inspirada de Deus. Não os culpo.

1. O que é a bíblia do “cético”? Um instrumento que se esforça para provar que a Bíblia não é um livro divinamente inspirado, mas sim uma afronta à decência e a dignidade do ser humano. Não entendo porque céticos se esforçam tanto para tentar "desmistificar" Deus. Ora, se Ele não existe, por que se preocupar? Os cristãos protestantes não são alienados por crerem na Palavra de Deus como a verdade absoluta. Se esta crença subestima o intelecto humano, é de se pensar que os cristãos são mesmo alienados. Todavia, há muitos, muitíssimos cristãos esclarecidos, estudados, que possuem esta crença. Será a fé nas Escrituras como a Palavra de Deus uma simples manipulação da maioria pobre e analfabeta? Óbvio que não. Ainda que precise reconhecer que muitos líderes pecam ao manipular as massas utilizando a Bíblia, existem Igrejas sérias onde as passagens que se acham ser embaraços aos crentes não são escondidas, mas pregadas e explicadas.

2. Críticas com fundamento? O autor faz críticas verdadeiras e outras que não o são. Explicarei o porquê da segunda. Primeiramente não cremos que para proteger a fé na Bíblia, muitos deixam de lê-la. A Bíblia deve ser lida profundamente. 

Josué 1:8 Não cesses de falar deste Livro da Lei; antes, medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer segundo tudo quanto nele está escrito; então, farás prosperar o teu caminho e serás bem-sucedido.

Salmos 1:2 Antes, o seu prazer está na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite.

Não cremos que o crente fiel enfrenta um dilema perturbador ao ler um livro tão "complicado" como a Bíblia: “a sua fé lhes diz que deveriam ler a Bíblia, mas lendo a Bíblia eles arriscam a sua fé?”. De nenhuma maneira. Por que?

Romanos 10:17 E, assim, a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo.

Os verdadeiros pregadores não manipulam a Bíblia, nem pregam apenas o que o autor chama de “o melhor lado de Deus.

2 Timóteo 4:2 prega a palavra, insta, quer seja oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda a longanimidade e doutrina.

Os crentes não estão “presos”, mas convencidos que a Bíblia é inspirada inteiramente, que Deus é seu autor e que cada passagem contém uma mensagem divina que não deve ser alterada ou apagada.

II Tm 3.14-17 - 14 Tu, porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, sabendo de quem o aprendeste 15 e que, desde a infância, sabes as sagradas letras, que podem tornar-te sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus. 16 Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, 17 a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra.

2 Pedro 1:21 porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens santos falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo.

João 14:26 mas o Consolador, o Espírito Santo, a quem o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que vos tenho dito.

Quando o autor afirma que a Bíblia é boa e verdadeira em alguns preceitos acusa os crentes de inventarem a sua própria interpretação - não o que ela verdadeiramente diz. Contrário a esta acusação, a igreja reformada compreende e aplica princípios hermenêuticos indispensáveis à Bíblia, a saber: as Escrituras possuem livre exame, mas não livre interpretação; possui várias aplicações, mas apenas um sentido. O que passar disto é passível de erro.

3. Perfil da bíblia do cético

3.1. Uma bíblia de absurdos: O autor levanta os “absurdos” da bíblia desde Gênesis até o Apocalipse. Exemplificando, comenta Gn 4.16 dizendo: “E saiu Caim de diante da face do SENHOR". Eu acho que Deus não sabe de tudo”; comenta ainda Ap 22.16 afirmando que “este verso se refere a Jesus como "a resplandecente Estrela da manhã", como Lúcifer é em Is 14.12. Então Jesus é Lúcifer?” Absurdos como estes infestam a bíblia do cético com afrontas ao Deus vivo e verdadeiro.

Primeiramente, "sair diante da face do Senhor" significa deixar seu relacionamento com Deus de lado, consequência imediata após ter assassinado seu irmão. Quanto ao texto de Is 14.12, o profeta descreve o reinado do rei da babilônia e não de Satanás (Is 14.4).

3.2. Uma bíblia de contradições: O autor examina detidamente as conhecidas “contradições” bíblicas em seu material eletrônico de Gênesis a Apocalipse. Pergunta, por exemplo, se Jesus batizou alguém afirmando que em Jo 3.22 a resposta seria sim e em Jo 4.2 não.

A questão é muito simples: a Escritura explica a própria Escritura. Um texto completa o outro. Jesus batizava por meio de seus discípulos.

3.3. Uma bíblia de injustiças: Assevera-se que Deus revelou sua injustiça de muitas maneiras e em vários momentos da história. O autor diz que Jo 10.8, "todos quantos vieram antes de mim são ladrões e salteadores", é uma declaração de Jesus que torna todos os profetas, reis, e heróis do Velho Testamento, todos que viveram antes dele, ladrões e salteadores.

Isto é uma grande besteira hermenêutica. Jesus se referia aos falsos profetas, pastores e mestres que não conduziram o povo na presença do Deus vivo

3.4. Uma bíblia de linguagem vulgar: Analisando o livro de Nm 11.20, o autor assegura que neste verso existe uma linguagem vulgar que é repugnante, a saber: “Deus promete dar-lhes carne a comer, não por alguns dias, mas durante um mês inteiro, até vos sair pelos narizes".

Não há nada de vulgar, mas de se irar. O povo murmurava constantemente mesmo diante da provisão de Deus. A linguagem empregada por Moisés só revela esta condição

3.5. Uma bíblia de crueldades e violência: Em uma série de interpretações blasfêmias no livro do profeta Jeremias, o autor declara que Deus admite fazer coisas más às pessoas (Jr 18.11); Julga, ainda, que Jeremias pede a Deus que mate os homens pela espada e as crianças com fome por simples e profunda crueldade (Jr 18.21). 

Quanto ao texto de Jr 18.11, Deus afirma que fará vir o mal sobre o povo se este continuar nos seus pecados. O texto de Jr 18.21 é uma lamentação do profeta, que conseguia imaginar o tamanho do pecado do povo e das consequências que chegariam.

3.6. Uma bíblia de falsas profecias e citações: Interpretando Hebreus, o autor diz que em Gênesis (13.15, 15.18 e 17.8) e Êxodo (32.13) Deus promete para Abraão e seus descendentes a terra de Canaã, "para que a possuam por herança eternamente", mas Hb 11.9-13, o autor bíblico admite que a promessa de Deus não foi cumprida. A bíblica do “cético” defende este tipo de afirmação como falsa, uma falsa profecia.

É justamente o contrário. Abraão creu e isto lhe foi imputado por justiça. sua descendência herdou Canaã como Deus prometera. Os próprios textos acima conferem este ensino.

3.7. Uma bíblia intolerante: Sabemos que Deus ordenou que Saul matasse todos os amalequitas, tanto homens, como mulheres, crianças, bois, ovelhas, camelos, e jumentos. “Por quê?”, pergunta o cético autor... Porque Deus se lembrou do que Amaleque fez centenas de anos atrás (I Sm 15.2-3). Biblicamente sabemos que Saul matou todos, mas poupou o rei Agague e os melhores animais. Diante disto surge o seguinte comentário: “E Deus ainda estava furioso com Saul por não ter matado a todos como lhe havia dito... Saul é reprovado por Samuel porque "não deste ouvidos à voz do SENHOR" matando a todos os amalequitas... Porque Saul não matou a todos como lhe foi ordenado, Deus muda de idéia quanto a ele ser rei.... Para agradar a Deus, Samuel corta Agague em pedaços "perante o SENHOR" (eu aposto que Deus adorou isto!)”.

Que ironia. Deus julga o culpado. Deus julga o pecado. Este é o lado ruim que muitos não querem saber, que muitos pastores não pregam. Posso reconhecer que é difícil o homem natural compreender porque Deus deu esta ordem, mas após ler a Escritura e entender a depravação total do homem, somos convencidos de que Deus é justo.

3.8. Uma bíblia em defesa da homossexualidade: Além de opinar absurdos descritos anteriormente, o autor alvitra que Rute e Noemi eram lésbicas e Jônatas e Davi eram homossexuais.

Será que vale a pena comentar este absurdo? Quando parentesco e amizade se tornaram homossexualismo? E as dezenas de textos bíblicos que condenam a homossexualidade? Se Deus puniu a Davi pelo adultério, não deveria também ter o punido pelo homossexualidade suposta? 

Para nós, crentes fiéis, chegou uma nova oportunidade de, nutridos pela Palavra da fé e pela boa doutrina que seguimos, rejeitar as fábulas profanas convencendo pelas Escrituras e pela iluminação do Espírito Santo, estando preparado para responder a todo aquele que pedir razão da nossa esperança (I Pe 3.15).

Numa época como a nossa nunca foi tão importante crer que toda Escritura é fiel e digna de inteira aceitação (I Tm 4.9).

Rev. Ângelo Vieira da Silva

10 comentários

Comente essa postagem aqui:
EmoticonEmoticon