A BUSCA FUNDAMENTAL DO CRISTÃO


"Uma coisa peço ao SENHOR, e a buscarei: que eu possa morar na Casa do SENHOR todos os dias da minha vida, para contemplar a beleza do SENHOR e meditar no seu templo" (Sl 27.4)

Sempre vivemos um novo tempo e, com ele, novos sonhos, desejos, projetos, aspirações e realizações. Sim, em nossa mente e coração está o anseio de suprir aquelas necessidades mais fundamentais, nossas e daqueles que nos são próximos. Muitos querem sanar suas dívidas, obter um diploma, cursar uma nova faculdade, adquirir certos bens materiais há muito tempo namorados, ter mais sucesso no trabalho, receber um salário melhor, rever parentes separados pelo tempo e espaço, viajar, poupar, crescer, enfim, viver, etc..

Tudo isto pode ser muito bom, mas não representa a busca fundamental de cristãos comprometidos com Deus e com Sua Palavra. Cada desejo nosso (como os supracitados) precisa ser secundário, uma vez compreendido que Deus é o Senhor de nossa vida. É o ensinamento do Salmo: “uma coisa peço ao Senhor, e a buscarei: que eu possa morar na Casa do Senhor todos os dias da minha vida, para contemplar a beleza do Senhor e meditar no seu templo” (Sl 27.4).

Perceba: algo é pedido e buscado; é apenas uma coisa... o que é? O salmista expressa que a busca fundamental do povo de Deus, de cada cristão fiel, é a busca pelo Senhor, pela sua presença, pelo seu conselho. Eis a oportunidade de compreendermos que tudo o que mais almejamos nessa vida não deve ocupar o lugar de Deus, de Cristo, do Espírito. Como nosso Senhor ensinou, “buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Mt 6.33).

Se Deus é aquele que supre cada uma de nossas necessidades (Fp 4.16-19), nos convêm buscá-lo e confiar em seu sustento providencial, pois declarou: “não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou o teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a minha destra fiel” (Is 41.10). A certeza é que “pedi, e dar-se-vos-á; buscai e achareis; batei, e abrir-se-vos-á. Pois todo o que pede recebe; o que busca encontra; e, a quem bate, abrir-se-lhe-á” (Mt 7.7-8). Portanto, peça, busque e bata corretamente, busque o Senhor, à sua presença e o seu conselho.

Reflita: será que estamos buscando o que é fundamental ou trivial? Eterno ou passageiro? Do Céu ou da Terra? “Ao meu coração me ocorre: “buscai a minha presença; buscarei, pois, Senhor, a tua presença” (Sl 27.8). Também é a disposição encontrada no livro do profeta Jeremias: “Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração” (Jr 29.13).

Buscar pelo Senhor, sua presença e seu conselho é um privilégio gracioso. As Sagradas Escrituras ensinam que bem-aventurado é aquele a quem o Senhor escolhe e se aproxima, para que assista em seus átrios; bem-aventurados os que habitam na Casa do Senhor, louvando ao Deus vivo perpetuamente. Afinal, um dia nos átrios do Senhor vale mais que mil; é preferível estar à porta da casa de Deus, a permanecer nas tendas da perversidade (Sl 65:4; Sl 84.4, 10).

Pense nisso e busque ao Senhor de todo o coração.
Rev. Ângelo Vieira da Silva



OS ANJOS SÃO SERES CRIADOS



‘O anjo do SENHOR acampa-se ao redor dos que o temem e os livra’’ (Sl 34.7)


Estudar angelologia, ramo da teologia que estuda os seres angelicais, é um grande desafio. Ainda mais hoje, quando o ensino bíblico nos púlpitos é escasso e muitos cristãos podem ser facilmente iludidos por fundamentos teológicos dissimulados. Para evitar um desvio da verdade quanto ao tema, pretendo colaborar com a compreensão bíblica acerca da natureza dos seres angelicais em breves pastorais.

Por “natureza” busca-se compreender a essência, o conjunto de características próprias dos anjos, isto é, o que os constitui em seu cerne, bojo, âmago. Dentro desse aspecto fundamental, a angelologia bíblica oferece fundamentos para crermos que os anjos são seres criados. Deus fez todas as coisas segundo seu propósito, “conforme o conselho da sua vontade” (Ef 1.11), inclusive os seres angelicais. Assim, como bem declarou Wayne Grudem, teólogo de Cambridge, “os anjos são prova de que o mundo invisível é real”.

Ora, os anjos não são deuses, semi-deuses, nem uma raça (não possuem capacidade reprodutiva). São criaturas distintas, seres mais elevados que o homem, razão pela qual também não devem ser interpretados como seres humanos glorificados. As Sagradas Escrituras prescrevem que o “exército do céu” e as “legiões celestes” foram criadas pelo Senhor Deus: “Louvai-o, todos os seus anjos; louvai-o, todas as suas legiões celestes. Louvem o nome do SENHOR, pois mandou ele, e foram criados” ... “pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele” (Sl 148.2, 5; Cl 1.16). Essas citações do Antigo e Novo Testamento são suficientes para afirmar que os seres angelicais, denominados aqui de ‘‘anjos, legiões celestes, coisas invisíveis, tronos, soberanias, prncipados, potestates’’, foram feitos pelo Criador.

Mas, quando isso aconteceu? Antes, durante ou depois da criação do universo ou do homem? Reflita sobre o “exército do céu”. Para muitos teólogos, esta expressão ora se refere às estrelas (Gn 2.1; Sl 33.6; Ne 9.6), ora se refere aos seres angelicais (I Re 22.19; Sl 103.20-21). Outros estudiosos delimitam ainda mais, afirmando que a criação dos anjos se deu juntamente com a criação dos céus (Gn 1.1) e antes da criação dos fundamentos da terra. Por isso, há controvérsias se tais passagens bíblicas poderiam esclarecer quando se deu a criação dos anjos.

É fato que as Sagradas Escrituras não apresentam uma informação precisa quanto ao momento que os seres angelicais foram criados. Entretanto, creio ser seguro afirmar que todos os anjos tenham sido criados simultaneamente antes da criação do homem. Além das citações bíblicas supramencionadas, é o que se deduz a partir de outros textos: “porque, em seis dias, fez o SENHOR os céus e a terra, o mar e tudo o que neles há e, ao sétimo dia, descansou; por isso, o SENHOR abençoou o dia de sábado e o santificou” ...“Onde estavas tu, quando eu lançava os fundamentos da terra? Dize-mo, se tens entendimento. 7 quando as estrelas da alva, juntas, alegremente cantavam, e rejubilavam todos os filhos de Deus?” (Ex 20.11; Jó 38.4, 7). Ambos os textos nos direcionam na compreensão que a criação dos seres angelicais, aqui denominados ‘‘filhos de Deus’’, ocorreu antes do homem, em um tempo na qual o Senhor estabelecia os fundamentos da terra.

De um jeito ou de outro, os anjos sempre estiveram ao nosso redor. Seja na história ou nas estórias, na Bíblia ou em outros escritos religiosos, em filmes ou séries de televisão, os anjos estão lá. Assim, em meio a esse vasto e observável universo angelical, oro para que a Igreja de Jesus veja os seres angelicais como eles realmente são: seres criados.*

Rev. Ângelo Vieira da Silva

--------------------------------------------------------------------------------------
Leia mais sobre angelologia bíblica clicando aqui. 

AS PRINCIPAIS FALHAS ESPIRITUAIS

‘‘Em tudo somos atribulados, porém não angustiados; perplexos, porém não desanimados; perseguidos, porém não desamparados; abatidos, porém não destruídos’’ (2 Co 4.8-9)

Você já falhou em alguma área de sua vida? Provavelmente sim... A palavra “falha” é carregada de conceitos negativos; lembra-nos falta de acerto, erro, falta, etc. Na verdade, falhar é o mesmo que não suceder como se espera, gerando frustração. Foi uma falha que matou o piloto de Fórmula 1, Ayrton Senna. Meses antes de Ayrton morrer, Michele Alboreto deu um depoimento a um programa de TV afirmando que nenhuma falha humana provocaria o acidente na Tamburello: "Eu tenho certeza - tive o mesmo acidente que o Ayrton teve, no mesmo lugar -, que, se acontecer algo nesta curva, acontece por causa de uma falha mecânica", declarou o italiano. Ainda que Alboreto não aceite a falha humana – nem mesmo os brasileiros aceitam, nem eu – lá estava uma falha que gerou morte, a falha mecânica na barra de direção. 

A realidade acima é aplicável ao nosso relacionamento com Deus. Afinal, falhas na vida espiritual podem produzir declínio na vida cristã e até mesmo morte. Charles Swindoll, renomado escritor protestante, afirma em seu livro ‘‘Perseverança’’ que existem concepções errôneas sobre a espiritualidade, o que podemos chamar de falhas espirituais. Como ele mesmo diz, estas concepções não são à prova d'água. Portanto, meu querido irmão (a), observe as seguintes falhas espirituais, medite e tome uma posição em sua vida cristã.
PRIMEIRA FALHA: achar que...
Por ser cristão, todos os seus problemas serão resolvidos.

A Bíblia nunca diz isso. Em alguns casos os problemas aumen­tam e a estrada fica mais difícil! A garantia que temos é de paz e companhia do Senhor.

SEGUNDA FALHA: achar que...
Todos os problemas que terá de enfrentar estão mencionados na Bíblia.

Não estão. Muitas ve­zes não encontramos uma resposta explícita na Escritura para o nosso problema específico. Precisamos de oração e orientação espiritual que pode ser dada pelo anjo da igreja ou por irmãos fiéis a Cristo.

TERCEIRA FALHA: achar que...
Se você está tendo problemas é porque lhe falta espiritualidade.

A existência de um problema simplesmente mostra que você é humano. Todos têm problemas e você não deixa de ser espiri­tual por lutar com um dilema. Pense em Jó e no seu sofrimento. Mesmo não entendendo, foi fiel a Deus.

QUARTA FALHA: achar que...
A exposição a ensinamentos bíblicos sólidos resolve automaticamente os problemas.

A instrução bíblica por si só não resulta em soluções instantâneas dos problemas. Pense nas Escrituras como um mapa absolutamente exato. O mapa lhe diz como chegar a um determinado destino. Mas o fato de apenas olhar um mapa não vai adiantar. O mesmo acontece na vida cristã. O mapa de Deus é confiável e está disponível. Ele também é claro e direto. Não há, porém, nenhum artifício em suas páginas que envie automaticamente o leitor ao seu destino por meio de um tapete mágico.

Pense nisto.
Rev. Ângelo Vieira da Silva

ANCIÃOS E PRESBÍTEROS: OS PASTORES DO REBANHO DE DEUS


“Fiel é a Palavra: se alguém aspira ao episcopado, excelente obra almeja” (1 Tm 3.1). Sim, a aspiração da qual o apóstolo Paulo se refere aponta para aqueles que são chamados para liderar a Igreja de Deus. Seja qual for o nome (episcopado, bispo, mestre, ministro, presbítero, ancião, anjo da Igreja, embaixador, evangelista, pregador, doutor, despenseiro dos mistérios de Deus, dentre outros), as Sagradas Escrituras descrevem as qualificações e funções daqueles que são os verdadeiros pastores do rebanho de Deus. Tais títulos não descrevem graus diferentes de dignidade, mas as funções honrosas dos que são chamados para cuidar, ensinar, administrar, supervisionar e amar a Igreja de Jesus.

O jovem pastor Timóteo foi instruído por Paulo sobre as qualificações indispensáveis para aqueles que almejavam o ‘‘episcopado’’, o mesmo que ‘‘ser bispos’’ (1 Tm 3.2; Tt 1.7; 1 Pe 2.25) ou ‘‘presbíteros’’ ─ esse último percebido na maioria dos textos que tratam do assunto no Novo Testamento (At 11.30; At 14.23; At 15.2, 4, 6, 22-23; At 16.4; At 20.17; At 21.18; 1 Tm 5.17, 19; Tt 1.5; Tg 5.14; 1 Pe 5.1; 2 Jo 1.1; 3 Jo 1.1). Ora, tal ofício é uma excelente obra que todos os homens da Igreja deveriam ansiar. Assim, hoje nos apresentamos diante de Deus para uma nova eleição de oficiais, em oração e jejum, conscientes de nossa responsabilidade frente ao ensino bíblico. 

O texto hebraico e grego, o Antigo e o Novo Testamentos, esclarecem as atribuições dos pastores do rebanho de Deus. Ora, o neo-testamentário ‘‘presbítero’’ (presbyterós, gr.) é o vétero-testamentário ‘‘ancião’’ (zaqen, heb.). Ambas as palavras designam um ofício de liderança. Não que todo líder tenha que ser idoso, pois os termos também são usados para os líderes sem referência à sua idade, mas que é necessário que sejam experientes e experimentados, exemplos para todos. Por isso, abaixo faço um breve panorama do pastoreio do rebanho de Deus sob a perspectiva do ancião.

(1) O ANCIÃO NO ANTIGO TESTAMENTO. A liderança através de um concílio de homens chamados “anciãos” era muito familiar aos judeus, afinal, era uma das instituições mais antigas e fundamentais de Israel, remontando ao cativeiro egípcio (Ex 3.16, 18). Os anciãos eram os representantes oficiais do povo, chamados de “anciãos de Israel”, “anciãos dos filhos de Israel” ou “anciãos do povo”. Sendo mencionados centenas de vezes no Antigo Testamento, tinham o papel fundamental de liderar, o que fica evidente em sua participação ativa em cada evento decisivo da história de Israel. Deus reconheceu o papel de liderança dos anciãos enviando Moisés primeiramente a eles para anunciar a libertação do cativeiro (Ex 3.16,18; Ex 4.29; Ex 12.21; Ex 17.5-6; Ex 18.12; Ex 19.7; Ex 24.1, 9, 14; dentre outros).

(2) O ANCIÃO NO NOVO TESTAMENTO. No Novo Testamento os anciãos são chamados de presbíteros. À luz do livro de Atos dos Apóstolos e das cartas, vemos que os presbíteros são os representantes oficiais da Igreja com autoridade semelhante ao dos apóstolos. Eles recebem e administram recursos materiais (At 11.29-30), julgam questões doutrinárias (At 15.1-29), oferecem conselho e resolvem conflitos (At 21.18-25). Lendo-se as muitas passagens bíblicas que envolvem os presbíteros fica evidente que os mesmos foram colocados à frente da Igreja pelo próprio Deus, com a tarefa de supervisionar o povo e, assim, cumprir o mandamento de ‘‘pastorear o rebanho de Deus’’ (1 Pe 5.1-4).

Portanto, amados irmãos, os presbíteros são os verdadeiros pastores da Igreja. Devemos orar por eles antes, durante e depois das eleições. Apesar de ser uma obra excelente, é repleta de sofrimentos que podem ser resumidos nas palavras de Jesus: ‘‘o Filho do Homem não tem onde reclinar a cabeça’’ (Mc 8.20). Por isso, ore, vote e creia: ‘‘Dar-vos-ei pastores segundo o meu coração, que vos apascentem com conhecimento e com inteligência’’ (Jr 3.15).

Rev. Ângelo Vieira da Silva